Educando uma boa pessoa


Educando um bom cidadão  - Educando uma boa pessoa

Estamos em uma época bem difícil para criar nossos filhos. Ao mesmo tempo em que a farta informação nos ajuda a tirar nossas dúvidas e conhecer e fazer o melhor, essa mesma informação muitas vezes leva a conflitos de opiniões entre o casal genitor/responsável, além da confusão na cabeça das crianças, que não sabe se deve ouvir os pais, a professora ou o personagem do vídeo.

Eu, como mãe de menino, luto todos os dias para desconstruir estereótipos machistas, e estudo como impedir que meu filho seja uma vítima da masculinidade tóxica e vire um macho opressor. Sei o quanto é difícil ir contra isso quando toda a sociedade parece idolatrar esse modelo, mas não desistir faz parte de ser mãe e colocar um homem bom e correto na sociedade.

Mas a educação, antes de chegar nas questões de gênero, passa por muitos detalhes que podem parecer pequenos, mas que fazem toda a diferença na maneira como a criança vai encarar o mundo a seu redor, durante toda a vida. Hoje fiz uma pequena lista do que vou fazer para, do meu ponto de vista, formar uma pessoa de bom princípios, com consciência social e sem alienação. Se lembrarem de mais alguma coisa que eu não tenha colocado, sintam-se a vontade para colocar nos comentários.

-Ensinar, desde cedo, a respeitar o material, o espaço e o corpo do outro. Não pegar o que é seu sem pedir, nem jamais forçar qualquer contato físico, seja com quem for.

-Dizer sempre as palavras mágicas: “por favor”, “obrigado(a)”, “me desculpe”. Seja para o professor, seja para o garçom ou o porteiro do prédio.

-O mundo não é o seu parquinho, e ninguém (ninguém mesmo) é obrigado a aturar malcriações e desrespeito.

-Visitar as pessoas não lhe dá direito de sair abrindo portas e gavetas bagunçando tudo; ser “ativo” jamais é desculpa para falta de educação.

-Se uma criança de seis meses bate na cara da mãe e essa mãe não chama a atenção de alguma maneira, quando tiver 12 anos ela vai fazer coisa muito pior.

-Economizar água é extremamente importante (fundamental) e nada difícil. Vale lavar a calçada com água da lavadora de roupas, lavar a louça com aquele resto que sobrou na jarra, montar um reservatório para chuva no quintal, etc.

-Não desperdice comida. Se sobrou, dê para um doguinho ou gatinho de rua.

-E por falar nisso: animais não são brinquedos. Não dá descartar quando não quer mais, não dá pra deixar preso e ignorar, não pode maltratar de nenhuma maneira. Maltratou o cachorro e levou uma mordida? Bem feito!

-Não existe desculpa aceitável para jogar lixo na rua, seja qual for o lixo. Coloque no bolso ou caregue em uma sacolinha plástica – é o que os japoneses fazem.

-Por falar em sacola plástica, as ecobags são necessárias e libertadoras. Você precisa mesmo levar mais 5 sacos plásticos para casa?

-Televisão, videogame e celular/tablet o dia inteiro são uma péssima ideia. É importante e saudável estipular horários para isso.

-Leia. Leia muito. Leia ficção, política, ciências, religião, esportes, leia sobre tudo. 

-Religião é um dos assuntos mais difíceis e espinhosos. Bom seria cada um respeitar a crença do outro, mesmo entre pais e filhos.

-Se meu filho sofrer qualquer tipo de perseguição/bullyng, eu irei até o inferno para defendê-lo; por outro lado, se ele for o agressor de alguém, eu irei até o inferno para que ele entenda o quanto isso é errado e se redima.

-Guarde dinheiro. Nem que seja uma quantia irrisória por mês, mas guarde.

-Ter um emprego de carteira assinada não é sinônimo de independência financeira, muito pelo contrário. Empreender é difícil, mas é o caminho para isso.

-Ensine seu filho a buscar uma companheira e não uma babá/empregada.

-Ensine sua filha a buscar um companheiro e não um provedor.

-Melhor ainda, ensine os dois a buscarem fazer a própria vida sem dependerem de ninguém para nada.

-Ensine os dois o básico para cozinhar e administrar um lar. Isso é questão de sobrevivência.

-Consciência de classes e privilégios é fundamental. O mundo não é a bolha colorida onde nossos filhos vivem.

banner5 - Educando uma boa pessoa

2 Replies to “Educando uma boa pessoa”

  1. Visitar as pessoas não lhe dá direito de sair abrindo portas e gavetas bagunçando tudo; ser “ativo” jamais é desculpa para falta de educação
    Como tá o Bê hoje nessa questão? Ele não tem essa curiosidade de pegar tudo? Tu tá conseguindo controlar?
    Também sempre tive essa opinião de que a Evellyn não vai mecher em nada na casa de ninguém, mas por enquanto tô falhando com isso pois a curiosidade é imensa, e todos na volta saem com um pode deixar,o que acaba me deixando preguiçosa em brigar com ela .

    1. Menina, passo pela mesma coisa com o Bê! Ele também é curioso e quer mexer, aí não deixo, sempre falo pra olhar só com os olhos. Mas na maioria das casas, as pessoas querem que eu deixe ele mexer, aí eu digo “não pode não”, e as pessoas falam “pode sim”xD. Quando saio com ele eu sempre levo dois ou três brinquedinhos que distraiam e dou quando ele começa a fazer o que não deve, mas nem sempre dá certo… o negócio é insistir e ter paciência, mas na casa dos outros eu não deixo, mesmo. Em casa ele tem uma porta de armário e uma gaveta só com coisas de plástico e eu deixo mexer, mas depois faço guardar tudo.xD

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *