Dificuldades na gravidez


dificuldades na gravidez - Dificuldades na gravidez

Se eu puder usar uma palavra para definir minha gravidez, eu usaria “intensa”!

Não foi uma gravidez esperada e planejada, fui pega totalmente de surpresa após 11 anos tomando pílula anticoncepcional, e meu bebê veio apenas 1 mês após eu parar. Parei porque não queria mais me entupir de hormônios e pretendia colocar DIU. E confesso que confiamos demais na sorte, já que a camisinha não foi usada em todas as relações. Ouvia tanto falarem que quem toma pílula leva anos para engravidar, que jamais imaginei que engravidaria. Quando os sintomas começaram (dores no seios, atraso na menstruação e cansaço extremo), acreditava que eram normais devido à interrupção da pílula.

Minha gestação foi um turbilhão de emoções desde o início. Nunca tive sequer um sangramento ou cólica, mas tenho uma forte tendência a achar que as coisas vão dar errado, então eu imaginava tudo de ruim. Lia sobre gravidez ectópica, ovo cego, aborto retido, fetos anencéfalos… o período de espera entre a descoberta da gravidez e a primeira ecografia (cerca de quinze dias) foi o período mais angustiante da minha vida. Cheguei chorando na sala de exames, a ponto de assustar a médica que, muito atenciosa, me mostrou tudo em detalhes na tela, falando inclusive “aí está o cérebro dele, então você já pode descartar um monte dessas besteiras que está pensando”. Descobrimos que o meu bebê já tinha 9 semanas e meio, e ela ligou o áudio e nos mostrou o coração batendo a todo vapor. Foi incrível!

Conto essas coisas, porque isso me faz refletir o quanto a natureza é linda, mas também é cruel. Quanta angústia uma mulher passa, até saber que seu bebê está bem? Mesmo que ela descubra cedo, o bebê demora a aparecer na eco, muitas vezes não se ouve o coração na primeira vez. Quantas chances existem de que uma gravidez não vá pra frente? Pelo que li, abortos espontâneos até as 12 semanas (3 meses) acontecem em cerca de 25% das gestações, uma porcentagem bem alta. E, ainda que a gestação vá pra frente, você precisa esperar o tempo do exame de transluscência nucal, do morfológico… Você precisa ter paciência, porque demora pra sentir o bebê mexer… e na reta final, ainda que o bebê e você estejam ótimos de saúde, você começa a pirar de medo de algo acontecer durante o parto. Você fica horrorizada de medo de ficar sem seu filho. Você sente medo de morrer.

Temos que lidar com todo esse medo, na maioria das vezes lidando também com a expectativa da família, a futura mudança de vida, e continuar trabalhando como se nada estivesse acontecendo, mesmo com a cabeça a mil e a vontade constante de chorar, devido aos hormônios e ao turbilhão de sentimentos. Nada justo.

Sei que muitas mulheres são tranquilas e passam por tudo isso com total serenidade, mas definitivamente não foi o meu caso. Eu tinha muita ansiedade (cheguei a der fato ter crises, no final), e mesmo com uma gestação 100% saudável e um bebê perfeito, o pessimismo a lá Meredith Grey não me deixava em paz. Foram meses lindos e confesso que às vezes bate uma saudade sim, mas também foram difíceis. Em alguns momentos, aterrorizantes.

Eu não tenho como falar por todas as mulheres grávidas do mundo, mas a verdade é que só quem passa por isso consegue entender. A gente ouve que gravidez não é doença, e não é mesmo, mas só a grávida sabe o que ela sente, e como ela sente. As mulheres não são iguais, e mesmo uma mesma mulher pode ter uma gestação completamente diferente da anterior. E a sua colega grávida pode até parecer dengosa para você, mas ela está passando por um momento muito, muito intenso, provavelmente o momento mais intenso, mais marcante, mais importante da vida dela, e passar por isso nem sempre é fácil. Pra mim nem sempre foi fácil. Mesmo eu sendo saudável e fazendo yoga todos os dias. Mesmo estando tudo bem com meu bebê. Mesmo eu tendo um marido maravilhoso, uma família carinhosa e colegas e amigos incríveis, que me protegeram e me cuidaram durante nove longos meses.

Abrace a coleguinha grávida e a ouça sem julgar. Talvez ela não precise de remédio. Talvez ela precise apenas disso.

Eu espero que vocês fiquem tranquilas e sem dificuldades na gravidez.


One Reply to “Dificuldades na gravidez”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *