Andador para bebês é seguro?


O andador é um dos itens mais polêmicos do enxoval do bebê, e não é sem razão. Embora muitos pais ainda sejam adeptos e jurem que não faz mal ao bebê, inúmeras pesquisas já foram feitas comprovando os riscos desse produto, que vão de quedas à má formação óssea.

Embora possa parecer útil – teoricamente, a criança no andador fica mais indepedente e dá mais liberdade aos pais e tempo para afazeres domésticos -, o andador é de fato perigoso e contraindicado pela grande maioria dos pediatras, sendo inclusive proibido em alguns Estados. Caso você ainda esteja em dúvida, reuni aqui alguns sabidos malefícios do andador.

-O bebê que usa andador tende a demorar mais a andar sozinho

Muita gente acredita que o andador serve como estímulo para a criança andar, mas colocá-la ali antes do tempo certo surte justamente o efeito contrário. A criança precisa aprender a ficar de pé apoiada em adultos, e pular essa etapa pode atrasar o caminhar sozinha em até 1 mês. Além do mais, a própria insegurança de estar de pé sem a “proteção” do andador pode levá-la a andar mais tarde.

-As articulações podem ser lesionadas

Se o bebê ainda não consegue ficar de pé, ele não pode ser forçado a isso. Ponto. Essas articulações ficam frouxas quando forçadas, podendo terem lesões bem sérias.

-A coluna e os músculos são prejudicados

Além de engatinhar menos, o bebê colocado no andador fica com a pisada errada e adota uma má postura , fazendo mal à coluna futuramente. O exercício de sentar e levantar (algo que não é feito quando ele está no andador) é fundamental para o desenvolvimento e fortalecimento dos músculos das pernas. Sem desenvolver essa força, ele não anda sozinho.

-Há risco de tombos e ferimentos gravíssimos

Dando impulso, uma criança pode atingir até 25km/h no andador, e nem sempre os pais conseguem alcançá-la a tempo de evitar um acidente. Um tropeço em um tapete dobrado ou mesmo em um brinquedo vira o andador sem dificuldade, resultando em um bebê caindo de cabeça no chão, com sério risco de traumatismo craniano. E mesmo uma topada com força em algum móvel pode causar lesões, devido ao impacto do choque do material com o corpo fŕagil do bebê.

-O desenvolvimento intelectual também é prejudicado

Como se interessar pelos brinquedos que estão no chão, se a limitação do andador torna impossível alcançá-los? O bebê “preso” no andador acaba tendo menos curiosidade com as coisas novas à sua volta, se tornando mais apático.

Pais e mães, coloquem algo na cabeça, algo que não canso de dizer: o mundo mudou, estudos sempre são feitos. Sua mãe te colocou no andador porque ela provavelmente não sabia dos riscos, e o fato de que não aconteceu nada com você não quer dizer que seu filho terá a mesma sorte. Por mais comodidade que o andador dê aos pais atarefados, não vale o risco de um tombo fatal e atrasos no desenvolvimento. Você simplesmente não quer que seu filho se machuque por você estar ocupado demais para deixá-lo engatinhar no chão e ficar de olho nele.

Cada bebê tem seu tempo para engatinhar, para andar, para falar, para tudo. E quando chegar a hora certa (por volta dos 9 meses), há maneiras saudáveis de estimulá-lo a andar, como deixá-lo se apoiar nas grades do cercadinho, andar com ele segurando-o pelas mãos, chamá-lo para pegar um brinquedo favorito, deixá-lo descalço para sentir o chão… são muitas maneiras bem menos arriscadas de ajudar o seu bebê a se desenvolver.

De mais a mais, é preciso ter calma e não fazer comparações. Seu filho fará tudo no tempo dele, e as conquistas são bem mais apreciadas, quando obtidas de maneira saudável e correta.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *