A melhor hora, a hora do banho


Dar banho no Bernardo virou um delicioso ritual em família. Desde os primeiros banhos, eu e o pai dele fazemos isso juntos, já que ambos tínhamos “medo” de fazer sozinhos e acabamos mantendo o hábito. O horário é sempre entre 19:30 e 20:00, podendo atrasar um pouquinho caso ele saia da rotina e queira mamar nesse horário. Ele toma banho todos os dias, como veio recomendado na alta do hospital, e apesar de ter chorado nos primeiros dias, parece gostar bastante agora.

O banho do bebê, pelo que pesquisei, não tem regras muito rígidas – é mais uma questão de a família escolher o que for mais confortável e conveniente. Mas há algumas dicas dadas pelos pediatras:

-O local ideal para o banho é onde tenha praticidade e espaço, de preferência que você consiga lavar e arrumar a criança sem ir para outro ambiente, para evitar choques térmicos devido a ambientes com temperaturas diferentes. O banho do Bê é no quarto dele, com a banheira em cima da mesinha que também serve como trocador; Para secá-lo e vesti-lo, usamos o puff poltrona que fica ao lado do berço.

-Como a sujeirinha se acumula mais na cabeça, o ideal é lavá-la antes do corpo, pois a sujeira da cabeça escorre e passa pelo corpinho, conforme o enxágue.

-Use apenas produtos de bebê. Como o bebê tem pouco cabelo e este suja pouco, o shampoo pode ser dispensado até os seis meses e o sabonete pode ser usado também na cabeça, e a água da banheira não precisa ser trocada para enxágue (isso muda, quando seu filho começar a engatinhar e pegar toda a sujeira do chão). Em relação ao shampoo, eu não sabia disso até poucos dias atrás, e desde o primeiro banho o Bê usa um shampoo Jhonson’s Baby que comprei ainda na gravidez, assim como um sabonete líquido da mesma marca. No chá de bebê ele ganhou shampoos de outras marcas e vários sabonetes em barra, que pretendo testar quando os que ele está usando agora acabarem.

-Dê atenção às “dobrinhas”. Falhamos nisso com o Bernardo, e me culpei muito. Ele cresceu e engordou bem rápido, e acabamos não dando atenção o suficiente ao pescoço e papada, em pleno verão. Resultado: ele acumulou suor e ficou com assadura 🙁 . Desde então, além de lavar com bastante sabonete durante o banho dele, deixo bem sequinho e espalho talco depois, e pela manhã, assim que o arrumo passo lencinho umedecido e mais talco para protegê-lo. O talco, aliás, tem sido usado em todas as “dobrinhas” dele, após o banho (ATENÇÃO: alguns pediatras proíbem o talco, devido ao risco de aspiração; de qualquer maneira, se for usá-lo, cubra o rosto do bebê, na hora de aplicar).

-Existem acessórios, como tapetinhos antiderrapantes e “bóias”, que mantém o bebê firme na banheira e facilitam o banho. Eles não são um item de primeira necessidade, mas se você vai estar sozinho(a) para dar banho eles são bem úteis, já que deixam suas duas mãos livres. O Bê ganhou da minha sogra uma redinha que encaixa na banheira e o deixa super firme e confortável. Além de conseguirmos dar o banho mais rapidamente usando o acessório, ele fica uma graça deitado na redinha.

-Os banhos são diários, com água morninha, evitando correntes de ar no local, e de preferência no final da tarde, para que a criança relaxe e durma bem.

-Seu bebê ganhou “perfumes”? Para evitar irritação no nariz dele e alergias, não aplique diretamente na pele, mas sim na roupa, e em pouca quantidade.

-No consenso geral, a melhor toalha é a toalha fralda. O Bê tem três toalhas de banho, e todas são toalhas de bebê comuns com capuz. Por enquanto, não senti necessidade da toalha fralda.

-Na hora do banho do bebê, mantenha o ambiente fechado e sem corrente de ar, e evite muita demora.

Dar banho em um bebê pequeno e frágil pode parecer assustador no início, mas exige apenas prática, cuidado e carinho.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *